10 de set de 2009

5 - Narrativa Saiti Marubo, Mista s/ papel, 50 x 50 cm, 2009

 
A leitura do artigo do antropólogo Pedro de Niemeyer Cesarino sobre a poesia produzida por povos indígenas das Américas provocou a inserção de um novo elemento em minha pintura: a escrita.
São fragmentos de poemas guaranis, cantos xamânicos marubos da Amazônia Ocidental e também trechos do longo texto mítico Popol Vuh, escrito pelo maias-quiché da Guatemala.
Um tipo de apropriação que me proporcionou sobretudo um auto-convite ao silêncio das palavras adicionado ao silêncio da pintura; por isso introduzi os fragmentos com uma certa delicadeza.
Os elementos pictórico e poético, juntos, um no outro, ora sutis, ora revelados. A Palavra no volume das sombra, sem promover lutas e abismos, desvelada na intimidade da matéria é o Verlerouvir; um quarto sentido, uma oportunidade de convivência, o som do verso (fonia) unindo dois mundos, com formas distintas, num mesmo universo.
A tentativa, efêmera que seja, de encurtar a longa distância que nos separa desse homem que ainda distinguimos, erroneamente, como ingênuo e primitivo.
Denize Torbes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seguidores